Pesquise Aqui

segunda-feira, 29 de julho de 2013

E eu só Escrevo!



A
té quando os Políticos, projeto “X”, instituição “Y” e outros nomes e níveis de “defensores” dos necessitados irão usá-los como discurso e motivo para alcançar recursos  próprios? Deve ser - esta - uma pergunta sem resposta! Porque, imagine se se acabassem as mazelas da realidade se acabariam também todas essas supostas formas de ajuda que estão aí, hoje em dia e mais, muitos políticos não seriam mais eleitos, porque não saberiam fazer política de outra forma, talvez a original! Se um dia se acabasse a miserabilidade, a “pobreza pobre”..., imediatamente ter-se-ia uma nova classe de oprimidos, pobres e miseráveis, a dos que, anteriormente “defendiam” os pobres e miseráveis e com a emancipação deles ficariam sem o emprego e sem a "boquinha"! Eu não estou brincando com a realidade, pelo contrário, estou vendo, com muita insatisfação as injustiças que as pessoas fazem umas com as outras, alimentam e perpetuam a ponto de tornarem-se normais, fatos comuns na vida de seres humanos! E infelizmente, cá estou eu, como os abutres, somente a escrever, e a lamentar, e acabrunhado vou...

JaloNunes.

A culpa é dos Políticos



S
ei que, ao lê, você e muitos outros pensarão que sou desumano, meio doido, ou outra série de coisas, devido as afirmações que fiz em alguns outros trechos do texto, que poderão ser chamadas de radicais demais, ou de ilógicas, ou antidemocráticas (as afirmações e interrogações que fugiram das classificações que são tratadas normalmente), pois não incluem a sociedade (se tratando aqui, apenas das pessoas, como criadoras do quotidiano comum e normal) na busca de melhorias para suas próprias necessidades, juntamente com a verdadeira forma de criação e modificação, enfim proporcionadora das obras que fogem da capacidade do homem comum realizar, não do ponto de vista do potencial da inteligência, mas o potencial financeiro: a Política.
Sei também que muitas pessoas com características e "qualidades pessimistas" se intitulam realistas... Eu não! Mesmo porque não sigo seitas ou correntes de pensamento que levam ao pessimismo e muito menos ao realismo! Autodenominei-me realista, no início do texto, apenas porque vivo e vejo a realidade cruel, injusta, egoísta, golpista, enfim, o descaso e o não cumprimento das responsabilidades mais simples, que proporcionariam, ao menos, uma vida digna; com saúde de qualidade, sem fome, com acesso a educação satisfatória, que fizesse o homem e a mulher viverem num contexto de humanidade que lhes é próprio, predestinado!
Realmente o cotidiano é difícil para muitas pessoas, pois, não há a oferta de uma vida melhor, isto por causa de outra série de fatores que não são cumpridos e realizados ou quando são, não atendem a todos, inclusive os que mais necessitam, ou ainda quando forjam atender a todos não satisfaz... "Os políticos enganam e mesmo assim não perdem a postura, a ética e a responsabilidade"...
Hoje em dia o ser humano não precisa apenas do seu potencial humano, natural ou comum para produzir no mercado, mas de muitos outros requisitos e habilidades que devam levar a fugir da mesmice da grande massa. Os quais são cada vez mais difíceis, pois são caros, inacessíveis para muitos, hierarquicamente oferecidos... Falo de aperfeiçoamentos, capacitações, graus de estudos mais elevados e muitos outros cursos profissionalizantes. Logo, com a falta da profissionalização o homem fica a mercê da própria sorte e da boa vontade dos "representantes", infelizmente!
O mercado de trabalho de hoje oferece infinitas alternativas de emprego, porém nem todas chegam a elas, ou melhor, a maioria não tem acesso, de modo que não se pode mais fazer e nem ao menos pensar em fazer somente o que gosta, mas gostar do que faz e zelar para que outra pessoa não ocupe o seu lugar... No mercado de trabalho, mais do que nunca, aprova-se a frase de Thomas Hobbes: “O homem é o lobo do próprio homem”.

JaloNunes.